facebook  facebook  
    home   novedades   colaboradores   contacto
 
 
 
 
 
 
 
 
11/9/2011 . O Encontro Etnonacional de Darcy Ribeiro e Abelardo Ramos por Gilberto Felisberto Vasconcellos


Na metade dos anos 70 Darcy Ribeiro e Abelardo Ramos se encontraram no Peru com Carlos Delgado, o principal assessor civil do general Valasco Alvarado O assunto discutido: o papel poltico do Exrcito na Amrica Latina, recorrente em vrios livros de Ramos, para quem o gorilismo reacionrio negava o carter progressista na formao do Exrcito argentino.

A fobia anti-militar da esquerda seria um equivoco a separar o povo do Exercito. Darcy estava de acordo, embora tivesse sido vitima do golpe militar de 1964 no Brasil, que na verdade teve sua gestao nos escritrios da burguesia bandeirante conectados embaixada norte-americana.
Em quase todos os livros de Darcy Ribeiro deparamos com o nome de Abelardo Ramos, o que no trivial entre os autores brasileiros de cincias sociais. Darcy Ribeiro se latinoamericanizou durante o seu desterro depois de 64, cuja conseqncia foram dois magnficos livros (O Dilema da Amrica Latina, Amrica e As Civilizaes), nos quais sobressai a viso de conjunto sobre a Ptria Grande, semelhana de Histria De La Nacin Latinoamericana de Abelardo Ramos. Marxistas e nacionalistas, esses dois grandes autores se completam na abordagem do processo histrico colonial. O trao em comum o bolivarianismo marxista ou o marxismo bolivarianizado.
Historiador do Exrcito argentino, Abelardo Ramos enftico quanto ao significado da Guerra do Paraguay, um crimen imborrable no qual o Imprio brasileiro escravagista, submisso aos interesses britnicos, liquidou com Solano Lopez, uma das figuras hericas da Amrica Latina que esteve no poder de um capitalismo de Estado sem latifndio.
Abelardo Ramos no foi um indianista que concebeu a Amrica Latina como etnografia, no erigiu os direitos indgenas de maneira abstrata no sentido de tratar as etnias indgenas independentemente do destino da Amrica Latina, o que seria uma atitude to fragmentadora quanto a do colonialismo europeu.
Darcy Ribeiro compreendeu a Amrica Latina com uma viso etnonacional, realando o que havia antes da vinda do colonizador capitalista e como se deu o contato (para isso elaborou o conceito de transfigurao tnica) com a populao autctone em cada pas. Quem somos ns? Que no somos a Europa, nem Amrica original, nem frica? Em Os ndios e A Civilizao assinala que o ndio preserva as suas identificaes tnicas, permanece ndio, a despeito da represso e da violncia que lhe foram infligidas com a destribalizao. Eis como os pases latinoamericanos so vistos em Amrica e As Civilizaes: uns passaram a ser e a chamar-se brasileiros (cortadores de pau de tinta), outros, argentinos (gente prateada), cubanos (das cubas de acar), outros ainda quiseram ser equatorianos (pelo paralelo solar); quando no, onomasticamente, bolivianos (de Bolvar), colombianos (de Colombo), mas todos americanos e neolatinos.
Jorge Abelardo Ramos tambm se ocupou da fuso sangrenta que resultou do cruzamento (criollo ou mestio) entre o europeu e o habitante autctone, assim como reconheceu a existncia de etnias diferentes no sculo XVI, mas sua abordagem privilegia a questo nacional com a incorporao da Amrica Latina na geografia mundial, advertindo que inexistia unidade nacional entre os povos precolombianos, mesmo os Astecas e Incas. Seria impossible evaluar lo que fuimos y lo que somos, si ignoramos por que dejamos de ser.
A abordagem de Darcy e de Ramos se completam na compreenso abrangente da etnia, da classe social e da nao. Depois de encontrar Rondon em 1948, Darcy Ribeiro viveu com os ndios. O suicdio de Vargas em 1954 abriu-lhe a cabea para o nacionalismo anti-imperialista, mas no foi acompanhado da crtica ao stalinismo, diferente de Ramos que faz a reviso histrica da Argentina informada por Trotsky o qual nunca ser uma influencia marcante no pensamento do antroplogo brasileiro.
Em Ramos est mais explicitado o papel condutor da classe operria industrial, embora sem excluir as classes no proletrias, para fazer da Amrica Latina uma sola nacin, e no naes caricatas. Todavia, a noo de classe no empalidece a questo nacional. H portanto, Marx e h tambm Bolvar. isso o que norteia La Histria De La Nacin Latinoamericana quando opera com a seguinte inverso: Amrica Latina no se encuentra dividida porque es subdesarrolada, sino que ...continua



Página 1 de 2

 
 
Instituto del Pensamiento Nacional Latinoamericano
Piedras 1326, C.A.B.A., Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, Mercosur.